sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

MARY MONTEIRO QUITES

Esta página é dedicada a

MARY MONTEIRO QUITES

Músicas de minha autoria
Download mp3 grátis

1. Pódio
Na voz de Maria Tereza Leopardi e arranjo de Neto Fernandes

Minha mãe faleceu em 2004, aos 87 anos de idade. Meses antes, ela fizera um poema de despedida! 

Embora já tivesse dificuldades para escrever, inclusive para se expressar, mesmo assim, Mary escreveu e me entregou a primeira versão de seu poema assim (depois ela o modificou várias vezes):
Primeira versão do poema de Mary Monteiro Quites, minha mãe, 
com a inteligência e a caligrafia dos seus 87 anos!
Nota: "Shade!" (ela escreveu assim no 6° verso). "Schade" significa "que pena!" em alemão. Minha mãe não falava alemão, mas sabia algumas palavras, porque morou alguns meses comigo na Alemanha. Ela não percebeu a confusão com os idiomas.

Na época, todos nós achamos o poema muito melancólico, lúgubre. Não compreendemos a sua realidade delicada e penosa!

Ela deve ter pensado e repensado muito o seu poema, naquelas horas em que se ensimesmava. Poucos dias mais tarde, ela ditou para o André (meu sobrinho) uma versão mais elaborada, de seu poema, então com o título de PÓDIO.

Musiquei este poeminha alguns meses depois de seu falecimento. A música, cantada pela Tetê, ficou assim...

Ouçam!


Para descarregar (fazer download), CLIQUE AQUI.

_____________________________________________ _____________________________________________  

Texto de Mary Monteiro Quites e música de A. Quites

Pódio
por Mary Monteiro Quites
(2004)

No pódio da minha vida 
 Três medalhas eu ganhei 
Affonso a quem tanto amei, 
Os filhos que desejei, 
Os netos que aqui deixei. 

Fui feliz! 

Obrigada, meu Deus! 
Sim, fui amada e muito amei. 
Aos que, com carinho, me cuidaram... 
... adeus!
______________________________________

Mary
por Almir Monteiro Quites 
(escrito no dia do falecimento da minha mãe) 


Tinhas apenas vinte e cinco aninhos 
quando, feliz, me “brotaste” na vida.
Juntos, seguimos por nossos caminhos, 
até o dia da tua partida. 

Expressaste um adeus em cada verso, 
com a arte da tua mocidade. 
 Então te desfizeste no universo, 
como perfume que deixa saudade! 

Apesar de que tudo passa enfim, 
hoje sinto que estás dentro de mim, 
pois, como filho, herdei a tua essência. 

Se consigo escrever com poesia, 
é porque tenho tua parceria, 
para assim abrandar a tua ausência.


==+==

Nenhum comentário:

Postar um comentário